Crítica: “Dedicated” – Carly Rae Jepsen

Inspirado nos anos 80, novo álbum de Carly Rae Jepsen mostra um visível amadurecimento pessoal e musical

  • Artista: Carly Rae Jepsen
  • Álbum: Dedicated
  • Lançamento: 17/05/2019
  • Gravadoras:  604, School Boy e Interscope Records.

Nota: 9/10

A canadense Carly Rae Jepsen provou que realmente não consegue fazer música ruim. Após divulgar 5 singles promocionais, a cantora finalmente liberou seu quarto álbum de estúdio em todas as plataformas de stream. “Dedicated” conta com mais de 15 nomes envolvidos na produção.

Após os icônicos “E.MO.TION”, de 2015, e “E.MO.TION Side B”, de 2016, seus fãs não acreditavam que Carly conseguiria criar um álbum tão hinário quanto, mas não é que a danada conseguiu?

“Dedicated” trás uma versão bem adocicada do Synthpop. Seus arranjos são montados para soarem como canções oitentistas, mas Jepsen afirmou que suas reais inspirações foram Donna Summer, ABBA e Bee-Gees. A cantora falou que seu álbum é perfeito para ouvir enquanto arruma a casa.

O mais marcante do disco são seus refrões muito bem explorados. Carly investe em hits chiclete que grudam facilmente na cabeça, como “Julien” e ‘Everything He Needs”. O real foco deste trabalho é sua produção e seus arranjos instrumentais super alto astral e dançantes.

Carly Rae Jepsen - Dedicated (photoshoot) 2019

Além de uma voz única e marcante, Jepsen também possui características bem específicas quando o assunto é composição. A cantora participou ativamente de todas as músicas do álbum. Suas letras são engraçadas e divertidas, tratando de assuntos recorrentes da vida adulta, mas olhando de um ponto de vista bem específico.

O álbum é aberto com “Julien”, uma balada dançante sobre um amor de verão que a cantora viveu. Carly disse em seu Twitter que esta faixa é o “coração do álbum”, pois seu conceito é a dedicação.

“No Drug Like Me” vem logo após. O instrumental seguido de sintetizador e marcação de baixo cresce de forma positiva durante a música. Sua letra sugere uma relação calorosa na cama, mas com pouco afeto emocional, já que isso se constrói aos poucos.

“Now That I Found You” é um incrível hit de balada. Uma música super pra cima e enérgica. A faixa trás elementos sonoros do Eletropop com uma pegada Dance bem contagiante. Sua letra fala sobre achar um amor incondicional, e seu vídeo-clipe mostra que esse amor pode ser um animalzinho de estimação.

“Want You In my Room” é claramente uma referência aos hits de Pop Rock dos anos 80. Soa como uma mistura de Laura Branigan com Thompson Twins. Sua letra é um pouco picante, pois Carly fala sobre uma fantasia sexual, onde seu amante entra por sua janela e os dois tem uma noite intensa de amor.

“Everything He Needs” mostra que a cantora sabe se encaixar em qualquer estilo musical. Um incrível hit de Funk com referências de Synth, que fala sobre estar segura quanto a sua relação, já que seu amor é correspindido e ambos precisam um do outro. Seu refrão é um tanto incómodo, mas gruda na cabeça.

“Happy Not Knowing” possui um beat marcante, sendo uma das melhores do álbum. A cantora explicou no Reddit: “Happy Not Knowing é sobre quando você não pode evitar de ter sentimentos por alguém, mas você não está pronto para isso ainda”. Em outras palavras é quando você se apaixona pela pessoa errada e tenta esconder isso.

“I,ll Be Your Girl” é a faixa mais Rock’n’Roll de todo o álbum. Se eu pudesse comparar com algo que eu já ouvi, com certeza seria Grace Jones e Jimi Hendrix, mas ainda não seria tão preciso. Sua letra é bem peculiar e fala sobre sentir um ciúmes doentil de alguém com quem ela se envolveu físicamente, mas não sentimentalmente.

“Too Much” é bastante dançante e divertida, suas batidas são bem doces e seu refrão é pegajoso. Como boa escorpiana que é, Carly Rae Jepsen resolveu falar sobre a intensidade de seus sentimentos. A cantora fala sobre como sempre se entrega por inteira em seus relacionamentos e questiona seu parceiro se isso é de mais para ele.

“The Sound” é a balada romântica do álbum, ou pelo menos a música mais melancólica (o som do baixo é maravilhoso). Sua letra é triste, mas sincera. Carly fala sobre relacionamentos que mais desgastam do que fortalecem, e isso fica claro no trecho “Amor é mais do que me dizer que você quer”.

“Automatically In Love” já possui uma sonoridade mais próxima da atualidade. É uma música bem próxima do R&B. Assim como seu título sugere, sua letra fala sobre se apaixonar, do nada, por uma pessoa e passar a ter sonhos eróticos com ela.

“Feels Right” é uma parceria com a banda Electric Guest. A música possui influências do Indie Rock e do Blues. Sua letra é super fofa e fala sobre estar tão apaixonado por alguém ao ponto de incluir essa pessoa em todos os seus planos futuros.

“Right Words Wrong Time” possui um instrumental não muito chamativo, que evolui para uma espécie de dubstep no refrão. É a que eu menos gostei do álbum. Sua letra é no entanto bem interessante, pois fala sobre aquele tenso momento quando terminamos um namoro, mas Carly diz que esse cara em questão sempre consegue a convencer do contrário.

“Real Love” é encantadora e consegue despertar aquele sentimento de nostalgia quando a ouvimos. É o tipo de música cujo clipe junta pequenos takes da turnê. Essa música entrega o conceito líquido do disco. Carly afirma querer encontrar um amor verdadeiro, mas não especifica qual, pois sabe que esse amor pode vir em qualquer forma.

“For Sure” também possui uma sonoridade mais atual, bem Popzona mesmo. Sua letra, em contraponto ao instrumental agitado, fala sobre um término. Jepsen quer ter a certeza de que desta vez é pra sempre, e é ai que percebemos então que o álbum todo conta uma mesma história, que se repete com personagens diferentes.

“Party For One” é a música que encerra o disco, logo temos uma canção sintetizada, com refrão explosivo e bem repetitiva. Ainda sim é melhor do que muitas farofas que tem saído ultimamente. Sua letra fala sobre gostar de uma pessoa muito enrolada, que fica no velho “chove, não molha” de sempre. O tipo de cara que ainda não superou a ex, mas quer mostrar que está muito bem sem ela. Então Carly diz que mesmo que ele não venha, ela vai se divertir sozinha e ainda tem um trecho que fala sobre se auto satisfazer.

Carly Rae Jepsen é, na minha opinião, uma das melhores Popstars da atualidade. A cantora investe alto na criação do conceito de seus clipes e de todas as suas eras. É visível o amor que a canadense colocou em suas músicas e isso é sim um diferencial.

“Dedicated” possui um conceito sólido que foi, sim, muito bem desenvolvido. Jepsen colocou no papel todos os seus sentimentos mais sinceros em relação às pessoas com quem ela já se envolveu, mas o álbum não se limita a falar apenas sobre isso, conversando também sobre as formas de amor possíveis e como elas aparecem em nossas vidas nos momentos certos.

Ouça na íntegra:

Um comentário sobre “Crítica: “Dedicated” – Carly Rae Jepsen

Comenta ai :]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.