Crítica: Dua Lipa – Future Nostalgia | Um álbum sobre empoderamento e amor

Após ser vazado na íntegra, o álbum de Dua Lipa precisou ser adiantado por sua gravadora, a Warner Records. O lançamento oficial foi no dia 27 de março e o disco fez um grande burburinho na internet. Muitos fãs de música Pop alegaram que a obra é a melhor do gênero em anos, e olha que “Future Nostalgia” conta com apenas 11 faixas. O álbum debutou no site Metacritic com a nota 97, subiu para 99 e atualmente está com 89 de aprovação.

Nota:

8,7

O segundo disco de Dua Lipa veio para consolidar sua carreira. A cantora já havia nos encantado com o seu autoentitulado de 2017, e o que parecia que não podia melhorar ficou ainda mais incrível. A cantora britânica nos surpreendeu ainda mais com sua segunda obra, da mesma forma que Lorde nos surpreendeu com o “Melodrama” também de 2017.

Inpirada diretamente na Disco Music, e na Funky Music dos anos 90, Dua resolveu criar um trabalho atemporal que tivesse bastante influência das músicas e artistas que ela ouvia durante sua infância e adolescência. Muitos compararam o trabalho com o “Confessions On A Dance Floor” de Madonna, já outros disseram que o álbum soa um pouco com o “E.MO.TION” de Carly Rae Jepsen – que também é inspirado nas músicas dos anos 80 e 90.

Segundo a própria, “Eu fui inspirada por tantos artistas no novo disco, de Gwen Stefani a Madonna, Moloko, Blondie e Outkast, para citar apenas alguns“. Em geral é um álbum com muitos hits dançantes, nenhum que você irá pular, e absolutamente nenhuma balada.

E se as músicas estão ótimas – soa como uma playlist de discoteca super envolvente e contagiante, absolutamente incrível – os visuais de Dua Lipa estão ainda mais incríveis. Os vídeo-clipes estão perfeitos e sem absolutamente nenhum defeito. Quem gosta de Britney Spears, e ama a era “Oops!… I Did It Again“, vai com certeza amar a parte visual de “Future Nostalgia”.

O disco é aberto com a faixa título que entrega de cara o conceito de “nostalgia do futuro”. Dua se impõe como uma cantora poderosa e diz que vai conseguir fazer tudo o que quiser sozinha, não importa o que precisar. Ainda cita o seu profutor Jeff Bhaker, o enaltecendo na letra.

“Don’t Start Now” é a segunda faixa e single principal do álbum. A canção tem inspiração direta na música Disco, lembrando bastante “Bad Girls” de Dona Summer em sua linha de baixo. Na letra a cantora manda a real prao boy lixo que fica perseguindo ela, dizendo que não adianta procura-la agora, pois já é tarde de mais.

Logo após vem “Cool”, que é simplesmente a minha favorita de todo o álbum. Sua produção é sensacional e eu simplesmente nã consigo comparar a nada que eu já tenha escutado. Genial. Dua canta sobre estar vivendo algo muito bonito com alguém que afaz perder os sentidos.

“Physical” traz um pouco doSynhpop à tona, sendo uma das melhores do disco, não é a toa que foi escolhida como single. Em sua letra a cantora utiliza de algumas metáforas para falar sobre sexo e como ela quer sentir toda a adrenalina na cama. O clipe ficou incrível, soando bem parecido com os vídeos de Britney Spears no início dos anos 2000.

Ainda nesse clima apaixonante temos a faixa “Levitating”, que é uma das favoritas do público. De fato é uma música muito gostosa, com referências do R&B. Dua canta sobre estar muito conectada a alguém de forma que ela sente que está levitando quando está na companhia de quem ama.

“Pretty Please” é uma canção menos agitada, mas também conta com influências do R&B. É uma faxixa um pouco escondida no disco, mas ainda sim é ótima. Na letra a cantora descreve um sentimento confuso, sobre duvidar de seu amor por alguém, mas entender que realmente ama essa pessoa.

“Hallucinate” nos traz de volta à pista de dança com um refrão bem chiclete. A letra não distoa muito do que foi dito em “Levitating”, Dua diz que fica alucinada quando chamam seu nome, podemos interpretar como uma homenagem aos fãs que gritam seu nome nos shows.

Dua Lipa lança 'Future Nostalgia', faixa que dá nome ao seu ...

“Love Again” conta com um instrumental incrível, que no início lembra as canções de Donna Summer, a rainha do Disco. É como uma mistura de Madonna com Bee Gees. A letra é simples e clara, fala sobre confiar no amor novamente, mesmo após ter sido ferida no amor.

“Break My Heart” é o quarto single escolhido por Dua Lipa. Sua sonoridade lembra um pouco as canções de Madonna em sua bíblia “Confessions On A Dance Floor”. A letra é tudo! Dua solta a famosa frase “antes só do que mal acompanhada”. A artista canta sobre ter dúvida se está apaixonada por um cara que pode partir seu coração.

“Good In Bed” tem um pouco do Hip-Hop dos anos 90, pra quem gosta. O refrão não é tão chamativo quanto o das outras faixas, mas a letra é perfeita. Dua Lipa canta sobre conhecer um cara super chato, que enche o saco, mas manda muito bem na cama, e é só pra isso que ela o procura.

“Boys Will Be Boys” é que encerra o disco e soa como uma canção feita pela Ava Max, é a que menos se encaixa na tracklist. Não deixa de ser boa. A letra é muito forte, fala sobre a jornada de uma mulher no processo de amadurecimento. Dua solta frases marcantes, como “É uma segunda natureza voltar para casa antes que o sol se ponha, e colocar suas chaves entre os nós dos dedos quando há garotos por perto. Não é engraçado como nós rimos para esconder nosso medo, quando não há nada engraçado aqui?

Confira a tracklist do “Future Nostalgia”, novo álbum da Dua Lipa ...

“Future Nostalgia” pra mim soa muito mais como um disco sobre empoderamento do que uma playlist de loja de departamento, como estão o chamando por ai. Dua Lipa sabe que é poderosa e expõe isso de forma direta, sem medo algum. A cantora conseguiu fazer o que muitos vinham tentando há anos, mas apenas Madonna, Robyn, Carly Rae Jepsen e ela mesma conseguiram, que é criar um álbum perfeito do início até o fim.

Ouça na íntegra:

5 comentários sobre “Crítica: Dua Lipa – Future Nostalgia | Um álbum sobre empoderamento e amor

      1. Eu tinha escutado apenas o lead single (gosto de esperar pelo lançamento dos álbuns para não estragar a surpresa) e não fiquei surpreendido das primeiras vezes que ouvi. Não é que eu pensasse que o álbum ia ser mau, mas não esperei que fosse tão bom como acabou por ser.

        Curtido por 1 pessoa

  1. o clipe de physical é simplesmente o melhor e minha faixa favorita ate agora, ela serviu mt
    acredito q ela vai lançar uma versao deluxe futuramente, por isso as 11 faixas

    Curtido por 1 pessoa

Comenta ai :]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.