Crítica: Tyler, The Creator – “IGOR” | O amor pode sim corromper alguém

No dia 17 de maio de 2019 os jovens amantes de Hip-Hop ganharam então sua bíblia conceitual, indie aesthetic e alternativa. O álbum “IGOR” foi lançado por Tyler, pela gravadora Columbia. Com 12 faixas, o disco aborda de forma bem intensa os temas amor, sexualidade e diversidade – tudo isso com uma arte de capa e uma estética visual incrível.

Nota:

7,7

O rapper Tyler Okonma juntou seu time de um homem só e botou a mão na massa para produzir seu disco, que só conta com seu nome na lista de produtores, entretanto, na ficha de composição temos os seguintes nomes:
Alan O’Day, Al Green, Bibi Mascel, Bobby Dukes, Bobby Massey, Cullen Omori, David Smith, Kanye West, Lester Allen McKenzie, Lil Uzi Vert, Mick Ware, Nkono Teles, Pharrell WilliamsPlayboi Carti, 山下達郎 (Tatsuro Yamashita) e o próprio Tyler.

A sonoridade é pesada, com uma forte presença do som do baixo destorcido, este que reaparece em todas as faixas, mas é primeiramente apresentada em “IGOR’S THEME”. O álbum traz o Hip-Hop dos anos 90 de volta à cena musical, misturado com o R&B, o soul e o Funk.

Tyler utiliza de muitos samples durante as 12 faixas do disco, e o faz de forma bem inteligente, no geral essas partes de outras músicas se encaixam perfeitamente com o contexto criado por ele. “I THINK”, por exemplo utiliza o refrão de “Special Lady” do artista de disco nigeriano Bibi Mascel. A música de Tyler é em colaboração com a cantora Solange.

O rapper insere seus próprios vocais no disco, o que gerou uma reação estranha por parte de seus fãs, pois ele não é um cantor. Sua voz é apagada pelos instrumentais e o tratamento que Tyler colocou nela a deixa mais como um vocal de apoio, não tão evidente, mas ela ainda está ali.

Everything We Learned From Tyler, the Creator's First Performance ...

“Igor” é um show de sintetizadores distorcidos e batidas bem envolventes, quando você menos percebe, está cantando junto com o coro e estralando os dedos. Como plano de fundo, mas não tão distante assim, temos a história trágica de amor contada por Tyler, que assume a persona “Igor”, descrito da seguinte forma:

Um  personagem gótico que na maioria das vezes é assistente de um vilão, representando e mostrando um lado aromático mais escuro de Tyler. Igor chega depois que Tyler entrega todo seu coração por seu interesse amoroso, embora seu interesse permaneça focado em sua ex-namorada“. – Wikipédia

O disco é aberto com “IGOR’S THEME”, que introduz o personagem de Tyler de forma a dizer “se preparem para o que está por vir”. A canção é em colaboração com o rapper Lil Uzi Vert e a Solange.

Logo após começa “Earfquake”, o primeiro single do álbum. Tyler trabalha com o Playboi Carti e Charlie Wilson na canção. A faixa inicia a narrativa de Igor, sobre o triângulo amoroso em que está envolvido com o cara que ele gosta e a ex dele. Tyler sente que precisa desse amor em sua vida e canta os versos “Não vá embora, a culpa é minha, você faz minha terra tremer“.

“I THINK” segue o que foi iniciado na faixa anterior, dando continuidade na história. Tyler percebe que está se apaixonando e acredita que será algo bom. A letra é muito inteligente e faz alusão ao romance “Call Me By Your Name” e fala um pouco sobre sua paixão pelo skate e compara isso ao que está sentindo.

A faixa 4 é um interlude chamado “EXACTLY WHAT YOU RUN FROM YOU END UP CHASING”, onde podemos ouvir o humorista Jerrod Carmichael dizer “Exatamente do que você corre, você acaba perseguindo. Tipo, você não pode evitar, mas apenas persegui-lo e apenas tentar. Dando tudo o que você pode. Sempre há um obstáculo“. É uma visão de Jerrod sobre se ferir no amor, você foge disso, mas no fundo é o que você realmente quer.

Logo após podemos ouvir “RUNNING OUT OF TIME”, uma balada que fala sobre um amor que não é correspondido da forma que Tyler espera. Ele diz fazer de tudo para ganhar o coração deste cara, mas aparentemente não tem mais ideias e nem tempo pra isso. Também é descrito uma relação por trás dos panos, Tyler afirma que esse garoto por quem ele está apaixonado usa uma máscara (pois finge ser hetero e ainda tem sentimentos pela ex-namorada). É minha faixa favorita do disco.

IGOR'S THEME - YouTube

“NEW MAGIC WAND” é sem sombra de dúvidas a canção mais pesada do disco, tanto na parte instrumental quanto em sua letra, que descreve um ciúmes doentil. O personagem Igor se vê morto de inveja dessa garota, a ex-namorada do seu atual. Ele descreve uma enorme vontade de mata-la e fazê-la sumir como mágica. A “varinha mágica” descrita na letra seria uma arma que ele usaria para mata-la.

“A BOY IS A GUN *” é a sétima faixa do disco, o instrumental dela é magnífico, com um lindo solo de piano no meio. Tyler compara seu amor por esse garoto com a sensação de poder de quando se tem várias armas. Ainda sim a letra é mais focada em uma sensação de perda, como podemos observar nesse trecho “sei que você é o pior para mim. Garoto, você é doce como o açúcar, diabético até o primeiro grau“. É uma música incrível, a produção é ótima e ao fundo podemos ouvir sons de tiros.

O clipe ilustra bem o real sentido da música, além de ter inspirações claras em “Call Me By Your Name”.

“PUPPET” é em colaboração com o produtor Kanye West. É umas das faixas que menos me chamou atenção, além de ser muito melancólica. Tyler fala sobre se sentir controlado por esse garoto, como um fantoche em suas mãos. Além das suplicas por atenção descritas no início da música.

“WHAT’S GOOD” é um hip-hop bem raiz, suas batidas são mais aceleradas do que as outras faixas. O sintetizador distorcido é bem chiclete, igual o refrão. A letra descreve um cenário de discussão de casal, Tyler fala um pouco sobre sua ansiedade e ao final se vangloria sobre quem é hoje em dia, por conta de sua fama, relembrando momentos do passado.

Depois vem uma surpreendente canção de 6 minutos chamada “GONE, GONE / THANK YOU”, que possui duas partes, ou seja, no meio da música o instrumental muda por coompleto e o sentido da letra também. Resumindo a ópera, basicamente Tyler canta sobre não amar mais esse gaoroto, por conta de suas atitudes babacas, mas ainda sim se lembra dos momentos felizes com muito amor e ternura.

Tyler, the Creator 'IGOR' 2020 Europe Tour Dates | HYPEBEAST

“I DON’T LOVE YOU ANYMORE” é a penultima faixa do disco, é uma balada onde Tyler se sente inferior a este garoto e chega à conclusão de que eles nunca vão dar certo. É então que ele diz “não te amo mais”, mas na verdade ele está mentindo para si mesmo. Musicalmente falando, eu acho essa faixa bem esquecível, pois ela só funciona no contexto do disco, assim como a anterior. No refrão as repetições de “i don’t love you anymore” chegam a irritar um pouco”.

O álbum é fechado com a música “WE ARE STILL BE FRIENDS?”, que é uma canção bem gostosa de R&B. Na letra Tyler questiona a esse garoto se eles ainda podem ser amigos, pois ainda se preocupa com ele sente sua falta.

Tyler, the Creator - 'IGOR' album review

O disco entrega uma produção de primeira e utiliza dos sintetizadores de forma bem madura, como eu nunca havia ouvido antes. Tyler é um gênio da produção e colaborou com grandes nomes para esse disco. Seu talento é inegável, mas não posso dizer que não senti falta de outros assuntos pertinentes. O disco soa como um românce renascentista, não como uma obra realmente atual, o que não é necessariamente ruim, até porque é muito bem escrito, mas depois de um tempo fica um pouco massante.

Ouça na íntegra:

Um comentário sobre “Crítica: Tyler, The Creator – “IGOR” | O amor pode sim corromper alguém

Comenta ai :]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.