As Melhores Cantoras do Brasil

A luta pela igualdade e pelo respeito das mulheres perante os homens não foi apenas no meio sociável da coisa, e se expandiu ao longo dos anos pelas diversas indústrias, seja ela musical, empresarial, entre outras. A mulher acabou tendo uma posição ao menos moderada na sociedade, trazendo o seu jeito empoderado de ser, como podemos ver constantemente no movimento feminista, onde o cromossomo x se tornou capaz de destruir barreiras que haviam sido construídas (meio que a força) pela população de pensamento 99% machista.

Não é de hoje que as cantoras brasileiras estão em destaque, tanto aqui no país de origem quanto lá fora. Com vozes fantásticas, empoderamento e um repertório super apurado, pouco a pouco foram reunindo milhares de fãs e admiradores. Hoje as mulheres dominam todo o mercado dá música brasileira, deixando muito homem no chinelo.

Resultado de imagem para bandeira do brasil
Veja a seguir | Melhores Cantoras do Brasil:

Maysa Matarazzo  ou simplesmente Maysa, nasceu em “berço de ouro” diga-se de passagem, sua família era uma das mais tradicionais no estado do Espírito Santo. Seu amor pela música começou bem cedo cantando e tocando piano em festas mornas para familiares, além de compor suas músicas. Infelizmente quando saiu de casa aos 18 anos para se casar com André Matarazzo (um dos herdeiros da família Matarazzo – milionários industriais paulistas descendentes do Conde Matarazzo), a contralto parou de cantar e esses eventos passaram a ser feitos raramente apenas para amigos por conta da família de seu marido (20 anos mais velhos que a mesma), que por sua vez era super conservadora e adepta de modos convencionais dos anos 50, onde a mulher tinha que ser submissa ao homem, mas nada tão extravagante para a época.

Ouça Maysa 

Elis Regina – Nasceu em Porto Alegre, filha primogênita de Romeu Costa e Ercy Carvalho Costa. Entre 1952 e 1956, cursou o primário renomado no Grupo Escolar Gonçalves Dias, ainda na década de 50 cantou pela primeira vez na rádio durante o programa “Clube do Guri” – Rádio Farroupilha de Porto Alegre, animado por Ary Rego (1918 ✝ 2007). E um pouco mais tarde passou a integrar o elenco fixo do programa, assim ganhando um pequeno cachê. Depois, tornou-se secretária do mesmo, onde além de cantar, lia recados, nomes de aniversariantes e apresentava os candidatos. Em 1959, assinou seu primeiro contrato profissional com a Rádio Gaúcha de Porto Alegre, apresentando-se no “Programa Maurício Sobrinho“, de Maurício Sirotsky. Conhecida por sua competência vocal, musicalidade e presença de palco, é considerada por muitos críticos – a melhor cantora popular do Brasil até hoje.

Ouça Elis

Elza Soares – Cantora e compositora brasileira que é conhecida por sua história marcante e luta contra qualquer tipo de preconceito, inibindo assim de certa forma uma parte do racismo existente em sua volta. SraSoares chegou a ser eleita e nomeada pela Rádio BBC de Londres como cantora do milênio na década de 90 e não cansa de conquistar fãs no mundo inteiro até hoje. Além de manter toda a sonoridade de suas músicas adequadas ao tempo atual com um gostinho do passado.

Em 2018 foi pessoalmente à estreia do musical “Elza”, no Teatro Riachuelo, no Rio de Janeiro, em que sete atrizes encenaram momentos marcantes de sua vida, dentre as quais destacou-se a atriz e cantora Larissa Luz, que encarnou a personagem Elza em seus trejeitos e timbre de voz. O espetáculo, teve texto de Vinícius Calderoni, direção de Duda Maia, direção musical de Pedro Luís com arranjos de Letieres Leite. Nesse mesmo ano foi lançada biografia autorizada “Elza” (Editora LeYa), escrita pelo jornalista Zeca Camargo. Ainda em 2018 foi exibido o documentário de Elizabete Martins Campos “My name is now”, com cenas em que a cantora conversa consigo mesma olhando-se no espelho.

Ouça Elza

Rita Lee – Cantora, compositora e instrumentista. Filha de imigrantes italianos e norte-americanos, desde nova demonstrou interesse pela música. Sua mãe era pianista e sua irmã mais velha ouvia discos de artistas como João Gilberto, Paul Anka, Dolores Duran e Connie Francis. Foi aluna da pianista erudita Madalena Tagliaferro. Apareceu inicialmente em 1967 no “III Festival de Música Popular Brasileira“, da TV Record. Na época, integrava o grupo de rock Mutantes, indicado por Ronny Von para acompanhar Gilberto Gil na música “Domingo no parque”, com arranjo de Rogério Duprat e classificada em segundo lugar no mesmo festival.

Depois que a “Rainha do Rock Brasileiro” anunciou a aposentadoria definitiva dos palcos, o mundo da música ficou mais triste. Ficam como consolo seus discos. Apesar de ser identificada com o rock, gênero que a fez famosa com Os Mutantes, Rita também enveredou pelo samba, pelo pop e pela bossa. Aparece em 12º lugar na lista geral da revista Rolling Stone Brasil. Seu disco “3001”, lançado em 2000, ganhou o Grammy Latino do ano seguinte.

Ouça Rita

Nana Caymmi – A voz de Nana é daquelas coisas que a gente não cansa de ouvir. “Ponta de Areia”, “Não se Esqueça de Mim”, “Resposta ao Tempo” são alguns dos sucessos que fazem de Nana não só uma das preferidas dos críticos, como também dos amantes da boa música. Em 2014, seu álbum “Caymmi”, feito em parceria com os irmãos Dori e Danilo, foi indicado ao Grammy Latino.

Ouça Nana

Maria Bethânia – Filha de José Telles, funcionário público do Departamento de Correios e Telégrafos, e de Claudionor Vianna, mais conhecida como dona Canô. Irmã de Caetano Veloso, que sugeriu seu nome aos pais devido a uma valsa do compositor pernambucano Capiba. Iniciou sua carreira artística em 1963, atuando na peça teatral “Boca de ouro”, de autoria de Nelson Rodrigues e direção de Alvinho Guimarães. A peça foi musicada por Caetano Veloso, que abria o espetáculo cantando um samba de Ataulfo Alves. Ainda nesse ano, conheceu, em Salvador, Gilberto Gil, Gal Costa, Tom Zé, entre outros, grupo com o qual se apresentou nas comemorações da inauguração do Teatro Vila Velha de Salvador, em 1964, nos shows “Nós por exemplo” e “Nova Bossa Velha, Velha Bossa Nova”. Apresentou, também em 1964, “Mora na filosofia”, seu primeiro show individual, quando conheceu Nara Leão.

Bethânia em cima do palco é um acontecimento extraordinário. Sua capacidade de interpretação, a dramaticidade, a potência da sua voz, a beleza, a alegria… Tanto que é considerada por muita gente uma das maiores cantoras brasileiras de todos os tempos. Na lista geral da Rolling Stone de 2012, está em 5º lugar. Seu nome também consta na lista dos recordistas de venda de discos no Brasil.

Ouça Maria

Marisa Monte – Filha de Carlos Monte, integrante da diretoria da Escola de Samba Portela. Ainda na infância, demonstrou aptidão musical nas aulas de piano, com as quais aprendeu a base da teoria e a leitura de partituras. Com nove anos de idade, ganhou de presente dos pais uma bateria. Na adolescência, estudou canto lírico e chegou a se apresentar no musical “Rocky Horror Show“, em montagem dos alunos de teatro do Colégio Andrews, dirigidos por Miguel Falabella. Aos 18 anos, foi à Itália estudar canto lírico. Pouco tempo depois, desistiu do gênero, passando a se apresentar em casas noturnas cantando músicas brasileiras. Depois de 10 meses, retornou ao Brasil. Incentivada e orientada por Nelson Motta, partiu em definitivo para a carreira de cantora de música popular.

E todo o sucesso de Marisa se transformou em prêmios: 4 Grammy Latino, 9 Prêmio Multishow e 5 APCA. Na lista das maiores vozes femininas da revista Rolling Stone, ficando atrás de Elis, Gal e Bethânia. 

Ouça Marisa

Gal Costa – Cantora. Maria das Graças Penna Burgos, conhecida como Gal Costa, nasceu em Salvador, no dia 26 de setembro de 1945. Filha de Arnaldo Burgos e Mariah Costa Penna ficou órfã de pai com 14 anos de idade. Em 1963 conheceu Caetano Veloso, apresentada por Dedé Gadelha, sua vizinha e amiga e futura esposa do cantor. 

Na adolescência, trabalhou na loja de discos do jornalista Roni que, coincidentemente, foi, em 1972, promotor do show “Caetano & Chico”, realizado em Salvador. No início dos anos 60, conheceu o ídolo João Gilberto que, segundo depoimento registrado no encarte da coleção “História da Música Popular Brasileira“, disse-lhe, após a primeira vez em que a viu cantar: “Você é a maior cantora do Brasil”. Nessa mesma época, também conheceu Caetano Veloso, Maria Bethânia e Gilberto Gil, formando o quarteto que, mais tarde, viria a ser conhecido como Doces Bárbaros, após participarem, juntos, de um espetáculo que resultou em um LP.

Ouça Gal

Baby do Brasil – Ainda estudante, começou a tocar violão e a cantar, vencendo assim, aos 14 anos, um festival de música de Niterói. Em 1966, passou a adotar o nome de Baby Consuelo – modificado, na década de 1990, para Baby do Brasil. Dois anos depois, mudou-se para Salvador. Nesta cidade, conheceu o guitarrista Pepeu Gomes, do conjunto Os Novos Baianos, seu parceiro em várias canções, com quem viria a se casar e ter seis filhos, entre os quais as cantoras Sara Shiva, Zabelê e Nana Shara, integrantes do trio SNZ.

Iniciou sua carreira artística em 1968, como integrante do conjunto Os Novos Baianos, com o qual gravou diversos discos. Em 1978, com a dissolução do grupo, partiu para carreira solo, lançando o LP “O que vier eu traço”, com destaque para “Menino do Rio” (Caetano Veloso), um de seus maiores sucessos.

Ouça Baby

Ângela Maria – Nascida em Conceição de Macabu (RJ), filha do reverendo Albertino Coutinho. Começou a cantar ainda adolescente no coro da Igreja Batista do bairro carioca do Estácio, onde seu pai era pastor. Na verdade, todos os seus irmãos cantavam durante os cultos religiosos. Sua voz, porém, era a mais apreciada. Já nessa época, trabalhava como inspetora em uma fábrica de lâmpadas, a General Eletric, onde soltava sua potente voz para encanto dos operários e desespero dos chefes. O sonho de ser cantora de rádio impulsionou sua decisão de participar de programas de calouros, o que causou um transtorno familiar. Segundo declaração da própria cantora, ao Jornal O Pasquim em 1976, “…levei muitas surras de minha mãe porque ela não queria de jeito nenhum. Eu fugia de casa para participar de programas de calouros”.

O pai não admitia que sua filha desejasse a carreira artística, coisa malvista na época. Mas a jovem estava decidida a ser cantora de rádio e fazer sucesso. Por ser ardorosa fã de Dalva de Oliveira, então no auge da carreira, passou a imitá-la, arrebatando assim todos os concursos de calouros em que se inscrevia. 

Ouça Ãngela

Cássia Eller – Cantora e compositora. Filha mais velha de Altair Eller, sargento reformado e Nancy Eller. Aos 14 anos ganhou de presente seu primeiro violão, e, aos 18, quando mudou-se para Brasília, começou a cantar em corais e a fazer testes para musicais e óperas. Tentou o canto lírico, porém a rígida disciplina desse estudo e sua paixão por música popular a fizeram desistir. Foi garçonete, cozinheira, secretária do Ministério da Agricultura, redatora, tradutora e ajudante de pedreiro. Optou definitivamente pela carreira artística. Em 1981, quando participou de um espetáculo de Oswaldo Montenegro. Nessa época, atuou também como cantora em grupo de forró e participou do primeiro trio-elétrico de Brasília, o Massa Real, no qual cantou por dois anos. Cantou em vários bares de Brasília, entre eles o Bom Demais.

Em 1993, decidiu ter um filho e deu a luz a Francisco Ribeiro Eller, fruto de uma relação com o baixista Tavinho Fialho – falecido em acidente de carro. Oito meses depois do nascimento do filho já estava de volta aos palcos. Em 2001, iria participar da festa de réveillon na Barra da Tijuca na virada do ano, mas no dia 29 de dezembro foi internada na Clínica Santa Maria, em Laranjeiras com intoxicação e após três paradas cardíacas veio a falecer neste mesmo dia.

Ouça Cássia

Anitta – Larissa de Macedo Machado, mais conhecida como – Anitta quando criança, com oito anos de idade, cantava aos domingos no coral da igreja Santa Luzia, em Honório Gurgel, bairro onde foi criada, na Zona norte do Rio de Janeiro. Aos 15, chegou a dar aulas de dança e a se apresentar nos bailes de dança de salão. Aos 16 anos de idade postou vídeos seus na internet cantando e dançando, e foi descoberta por DJs da equipe de som Furacão 2000. Sua primeira música de trabalho, “Eu vou ficar”, ficou entre as mais pedidas das rádios FMs, que tocam funk, no Rio de Janeiro, em 2010.

Em 2013 lançou na internet o hit “Show Das Poderosas”, quinta música gravada em toda sua carreira, cujo clipe estreou no programa “Fantástico”, da Rede Globo e teve um milhão de acessos na internet na primeira semana. Nesse mesmo ano lançou, pelo selo Warner Music, seu primeiro CD “Anitta”, produzido por Umberto Tavares e Mãozinha. O disco contou com músicas inéditas como “Príncipe de vento”, “Não para”, “Cachorro eu tenho em casa” e músicas já veiculadas na internet como “Show das poderosas”, “Meiga e abusada” e “Menina má”. Hoje em dia Anitta continua emplacando hits e levando o nome do Brasil pelo mundo a fora com seu talento.

Ouça Anitta

Ivete Sangalo – Cantora e compositora. O pai gostava de violão e tinha a profissão de joalheiro, a mãe era professora e cantora. Após o falecimento do pai, a família passou a vender quentinhas. Ivete aos três anos já cantava canções de Clara Nunes e deixava todo mundo babando por tal talento. Adolescente, participou de muitos saraus, gincanas e festivais do colégio, cantando e tocando violão. Sua irmã Mônica, também cantora, foi quem a levou para se apresentar pela primeira vez num bar em Salvador.

Começou a carreira profissional no ano de 1983, e um de seus primeiros incentivadores foi o cantor e compositor Geraldo Azevedo no fim dos anos 80, quando se apresentou no Teatro do Centro de Cultura João Gilberto, de Juazeiro. Apresentou-se também em várias cidades do interior da Bahia, até ser convidada a participar da micareta da cidade de Morro de Chapéu. Em 1991, trabalhou como backing vocal do cantor baiano Lui Muritiba. No ano seguinte, estreou com banda própria em Salvador e ganhou no mesmo ano com este show o “Troféu Caymmi” na categoria  “Cantora Revelação“. No ano de 1993 fez inúmeras apresentações com sua banda, até que o produtor Jorge Cunha a convidou para integrar a Banda Eva, com a qual gravou seis discos. Retomou a carreira solo em 1999 se tornando um dos maiores nomes do Brasil até hoje.

Ouça Ivete

Quer conhecer essas e muito mais artistas que fazem parte da música brasileira? Clique aqui e descubra!

Tem alguma sugestão ? Entre em contato com a gente por meio da nossa página do FacebookSaga Das Musicas

Apoio Biografias: Dicionário Cravo Albin Da MPB, eBiografia, entre outro.

Comenta ai :]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.